Seções

Nesta Edição

divisor-menu

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

Momento

Recuperação em andamento

Por Emerson Destro, Presidente da ABAD

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O País acaba de entrar no último trimestre e tem bons motivos para manter a confiança em alta. Uma das melhores notícias do ano chegou no fim de outubro com a aprovação, pelo plenário do Senado, do texto-base da reforma da Previdência, concluindo a tramitação da mais importante proposta do governo de Jair Bolsonaro.

Segundo Paulo Guedes, ministro da Economia, a medida tem potencial para possibilitar a poupança de cerca de 800 bilhões de reais nos próximos dez anos, o que permitirá à economia o desempenho de um papel fundamental no equilíbrio das contas públicas.

Essa aprovação chega depois de uma série de medidas desburocratizantes, incluindo a chamada MP da Liberdade Econômica, que já trouxeram alento para vários segmentos produtivos.

Agora, vivemos a expectativa de que outras propostas sejam encaminhadas para a análise pelo Legislativo e, uma vez aprovadas, possam fazer do Brasil um país com regras cada vez mais transparentes, com melhor ambiente de negócios, maior eficiência e maior segurança jurídica. 

Veremos, nos próximos meses, debates sobre a tão aguardada Reforma Tributária, que visa simplificar as regras do sistema tributário brasileiro, que hoje é complexo. Deverá ser proposta, ainda, uma Reforma Administrativa, voltada para a redução das despesas estatais.

A PEC paralela, que deverá incluir Estados e municípios na reforma da Previdência, também está tramitando, e há no horizonte a expectativa de uma PEC dos gatilhos fiscais, que permitirá reduzir despesas obrigatórias e apertar o ajuste das contas públicas, abrindo espaço para investimentos por parte do governo.

Esperamos que o Governo e o Congresso consigam viabilizar pelo menos a maior parte dessas medidas até meados de 2020, uma vez que anos eleitorais tendem a dificultar a tramitação de temas complexos no Legislativo.

De qualquer maneira, já temos alguns dados positivos para registrar, como o crescimento de 0,4% do PIB no segundo trimestre e a melhora das expectativas sobre o resultado anual. Uma recuperação gradual da atividade industrial também já é identificada, e fortalecida pela percepção de uma leve melhora no consumo e na situação financeira das empresas, com redução do desemprego no setor em setembro em comparação com agosto, de acordo com a CNI. 

Enfim, sabemos que mudanças de grande monta estão em curso, e também que essas mudanças são lentas, em especial quando submetidas ao debate político. Mas estamos certos de que enveredamos por um caminho virtuoso, por onde não há retrocesso possível. Por isso, mantemos uma visão otimista para o nosso setor e para a economia como um todo. Façamos a nossa parte e certamente colheremos bons frutos.