Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

Entrevista

DIA aposta com firmeza em marcas próprias

Marcelo Maia, presidente-executivo do DIA Brasil, avalia o segmento dá detalhes a respeito de como o sistema operacionaliza, e aposta no crescimento, que acompanha a tendência mundial.

Rúbia Evangelinellis

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A rede DIA de supermercados reconhece na marca própria um dos pilares estratégicos do seu negócio. Neste ano, o o grupo espanhol, que chegou ao Brasil em 2001 já com seu mix na bagagem, deverá lançar cerca de 500 produtos e relançar outros 500, que envolvem mu-danças nas embalagens e nas formulações.

Em entrevista concedida à revista DISTRIBUIÇÃO, Marcelo Maia, presidente-executivo do DIA Brasil, avalia o segmento, dá detalhes a respeito de como o sistema operacionaliza, e aposta no crescimento, que acompanha a tendência mundial.

Além do rótulo DIA, que atua como guarda-chuva no segmento, a rede também é dona das marcas Vital (de produtos saudáveis), Bonté (de beleza e cosmética) e Baby Smile (de cuidados com os bebês).

No Brasil, os produtos de marca própria fazem parte do portfólio desde a chegada da empresa, em 2001

Qual é a importância da marca própria para os negócios da rede?

O segmento de marca própria é um dos pilares estratégicos do nosso negócio, pois contribui para a fidelização dos clientes, uma vez que eles são vendidos exclusivamente nas nossas lojas, além de democratizar a relação entre qualidade e preço.

Há quanto tempo a empresa trabalha com marca própria?

A rede DIA de supermercados surgiu na Espanha, em 1979, e o primeiro produto de marca própria foi lançado no início da década de 1980 na Europa. No Brasil, os produtos de marca própria fazem parte do portfólio desde a chegada da empresa, em 2001.

Quantas marcas próprias do DIA existem e qual é a estratégia de comercialização?

Os produtos de marca própria DIA estão em quase todas as categorias, como uma marca guarda-chuva. Também temos marcas exclusivas, como Vital (de produtos saudáveis), Bonté (de beleza e cosmética) e Baby Smile (de cuidados com os bebês). Temos expertise e experiência para trabalhar essas marcas mais específicas de maneira distinta a fim de nos comunicarmos com os clientes com maior assertividade e clareza.

Há previsão para ampliar o portfólio e fazer outras mudanças?

Para este ano, vamos lançar cerca de 500 produtos e relançar aproximadamente outros 500, com modificações na formulação e nas embalagens para estarmos alinhados às preferências do consumidor brasileiro.

A procura pelos produtos de marca própria vem aumentando nos últi-mos anos?

Ao comparar os índices gerais de participação da venda de produtos de marca própria no Brasil (6%) com os apurados nos Estados Unidos (18%) e na Europa (acima de 35%), podemos afirmar que o mercado nacional ainda é dominado pelas grandes marcas. Por outro lado, também constatamos que há um grande potencial de crescimento no mercado brasileiro. É uma tendência mundial e acredito que o mercado brasileiro seguirá essa tendência. Prova disso é o fato de que a procura pelos produtos de marca própria vem aumentando de 8% a 10% nos últimos anos.


Durante este período de pandemia, houve aumento de vendas dos produtos de marca própria?

Percebe-mos que ocorreu essa mudança no com-portamento de consumo dos clientes que adotaram um perfil mais conserva-dor com relação aos gastos. Os consumi-dores deram preferência a produtos de menor valor agregado, incluindo aqueles do segmento de marca própria. Desde março, a venda dos produtos de marca própria aumentou em dois dígitos percentuais, sendo que a maior procura foi por produtos de higiene e limpeza. Acredito que deverá ocorrer um aumento ainda maior de participação dos produtos de marca própria no volume de negócios em um curto período de tempo.

Qual é a participação da marca própria no faturamento?

Hoje, os produtos de marca própria representam 27% do total de vendas da empresa. Nossa meta é chegar ao patamar de 35% a 40% nos próximos dois a três anos.

Qual é a receita que lhes permite trabalhar com outras marcas sem entrar em conflito com os fornecedores?

Acredito que é perfeitamente possível trabalhar com produtos de marca própria e de outras marcas. Não enxergamos a marca própria como concorrente de outras do mercado, mas sim, como mais uma opção para os clientes.

Como a empresa participa da produção?

Temos um time exclusivamente dedicado ao desenvolvimento dos pro-dutos, com foco na qualidade, no relacionamento com o parceiro da indústria e na criação de marcas e embalagens. Essa equipe participa de todo o processo de formação da cadeia de valor do produto, desde a ideia inicial, passando pela composição e formulação, e tecnologia da impressão das embalagens, até o acompanhamento das vendas nas lojas.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email