Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

Uberização no setor é tema de Webinar

Redação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O escritório Dessimoni & Blanco Advogados, responsável pela assessoria jurídica da ABAD – Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores, promoveu, em 23 de julho de 2020, um Webinar, que debateu o tema “Uberização da Distribuição”. 

O evento contou com  a participação de Altamiro Carlos Borges Jr., diretor-presidente da consultoria ABGroup e conselheiro da Abralog – Associação Brasileira de Logística, do advogado Alessandro Dessimoni e do empresário Juscelino Júnior, presidente do Grupo ABAD Jovens e Sucessores e da Nossa Distribuidora.

“Ultimamente, tem ocorrido um movi-mento nesse sentido, lembrando que hoje há uma lei que autoriza a terceirização de atividades-fim e que essa legislação foi considerada constitucional pelo STF. A terceirização passou a ser uma grande estratégia de negócio para as empresas distribuidoras e atacadistas, mas há uma insegurança ju-rídica muito grande”, explicou o advogado Alessandro Dessimoni.

Alessandro Dessimoni, Dessimoni & Blanco Advogados

“A terceirização  au-mentou muito com a Reforma Trabalhista, mas hoje a precariedade das relações de trabalho não tem mais fundamento”, com-pletou. “O Brasil passou por grandes mu-danças nos últimos anos e essas mudanças inclui a terceirização, os autônomos, os MEIs e os contratos de trabalho”, acrescentou.

MARKETPLACE

Também foram abordadas as grandes áreas da empresa para terceirização, como vendedor, microtransportador, RCA, promotor MEI e televendas MEI, entre outros departamentos que podem ser mais eficientes e menos onerosos no novo sistema. Juscelino Júnior destacou que no setor atacadista distribuidor a uberizacão vai chegar na atividade.

“Compartilhar o que pode ser compartilhado. O marketplace é um bom exemplo”, disse. Por sua vez, Altamiro Borges lembrou que as relações  já estão sendo contaminadas e entrando na uberização.

“E por que não usufruir? Já vemos em várias situações transportadores e microtransportadores trabalhando em duas empresas, nas relações intermitentes e no trabalho de televendas, só para citar alguns exemplos”, observou.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email