Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

Painel

Ministro diz que medidas de ajuda deverão continuar

Redação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O Brasil ainda tem um ou dois meses de dificuldades pela frente, afirmou Paulo Guedes (foto), ministro da Economia. A declaração foi feita por ele durante audiência pública na comissão mista da reforma tributária. Segundo o ministro, o esforço emergencial em curso no País, com o pagamento do auxílio de 600 reais e outras medidas para garantir emprego, deverão continuar. Sem dar detalhes da proposta, Guedes declarou que o auxílio emergencial de 600 reais será reformulado e se transformará no programa Renda Brasil.

“5,62% foi  o percentual de queda previsto para o mercado financeiro e a economia brasileira neste ano. A estimativa de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no País – está no boletim Focus, publicação divulgada todas as semanas pelovBC – Banco Central, com a projeção para os principais indicadores econômicos. Quanto ao próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,5%, a mesma previsão há onze semanas consecutivas. Para 2022 e 2023, o mercado financeiro continua a projetar expansão de 2,5%”

Frutas, hortaliças e feijão no prato

Os brasileiros estão comendo mais alimentos in natura durante a pandemia da Covid-19. É o que diz o Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP – Universidade de São Paulo, que iniciou em janeiro de 2020 um dos maiores estudos sobre alimentação e saúde no País, o “Estudo NutriNet Brasil”. A pesquisa, feita com 10 mil pessoas em todo o Brasil, mostra um aumento de 44,6% no consumo de frutas, hortaliças e feijão. Entretanto, também ocorreu um aumento de alimentos ultraprocessados nas Regiões Norte e Nordeste e entre pessoas de escolaridade mais baixa.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email