Seções

Nesta Edição

divisor-menu

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

SeMINÁRIO ABAD & FILIADAS

Reforma tributária em debate

Economista Bernard Appy fez palestra em defesa do imposto único sobre bens e serviços. Pleitos prioritários do setor também ganharam destaque

por Ana Paula Alencar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Bernard Appy se apresenta no primeiro dia

A reforma tributária, que agora deverá avançar no Congresso, poderá transformar o sistema de tributação brasileiro em referência mundial. Essa é a avaliação de Bernard Appy, economista e diretor do CCiF – Centro de Cidadania Fiscal, que proferiu uma palestra na noite de 24 de agosto, na abertura do Seminário ABAD & Filiadas 2019, realizado no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo.

Mentor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 45/2019, apresentada pelo deputado Baleia Rossi, do MDB de São Paulo, na Câmara dos Deputados, o economista aproveitou o tempo de que dispunha para defender suas ideias e a convicção de que a reforma eliminará distorções e ineficiências do sistema tributário. 

Segundo ele, a PEC se propõe a corrigir essas distorções por meio da substituição de cinco tributos – PIS, Cofins e IPI (federais), ICMS (estadual) e ISS (municipal) – pelo chamado Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), um imposto do tipo único IVA de competência de municípios, Estados e União, e de incidência não cumulativa sobre base ampla de bens, serviços e intangíveis, além de um outro imposto, sobre bens e serviços específicos, esse de competência apenas federal. Prevendo um período de transição de 20 anos, o modelo apresentado na PEC 45 procura contornar as dificuldades da migração para o modelo IVA e mitigar resistências à implementação do novo imposto.

Emerson Destro destaca os objetivos do encontro
Coquetel de abertura

Para o economista, “os problemas do atual modelo são muitos, entre eles a cumulatividade, a multiplicidade de benefícios fiscais, regimes especiais e alíquotas efetivas, além da tributação na origem, que favorece a guerra fiscal e tem uma tendência antiexportação, criando distorções e impactos negativos em cadeia, como alta litigiosidade e elevação do custo de exportações e investimentos”. 

Em relação ao novo modelo, Appy destaca, entre seus benefícios importantes, a melhoria do ambiente de negócios, o aumento da produtividade e do PIB potencial, o aumento do investimento, o ambiente federativo mais cooperativo, e a transparência para os contribuintes. 

A proposta de Appy tem o apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do Democratas do Rio de Janeiro, e é uma das cinco PECs que estão em discussão na Casa, todas elas baseadas na substituição de diversos impostos atuais por um modelo de imposto único.

A palestra de abertura respondeu a um dos temas de maior importância no momento para o setor atacadista distribuidor e para o País como um todo. Por isso, ao comentar a questão tributária, o presidente da ABAD, Emerson Destro, conclamou o setor a empenhar-se nesse debate, uma vez que, em sua visão, o País vive uma oportunidade única de mudança, capitaneada por um governo que se dispõe a ouvir e atender às necessidades dos setores produtivos. “Precisamos decidir qual o tamanho de Estado que queremos em nossos negócios”, diz.

OUTRAS ATIVIADES

O objetivo do Seminário ABAD & Filiadas, realizado desde 2013, é proporcionar um ambiente adequado para a troca de experiências entre as entidades estaduais e a apresentação de informações e de boas práticas que contribuam para o desenvolvimento das filiadas e impulsionem a melhoria dos serviços prestados aos associados de todo o País. Nesse sentido, merece destaque a palestra realizada no dia 25 à tarde sob o tema “Excelência na Gestão de Entidade de Classe”, ministrada pelo executivo do Sindiatacadista/DF, Anderson Pereira Nunes.Experiente na função de executivo e com um trabalho técnico e reconhecido pelos bons resultados, Anderson compartilhou com os companheiros conhecimentos que foram desde as diferenças conceituais entre sindicato e associação até questões comportamentais, comerciais e de gestão. Por sua vez, o painel das áreas de Comunicação, Marketing e Assessoria de Imprensa trouxe uma ampla visão das atividades e da importância da área para o bom desenvolvimento da atuação da entidade, com apresentação dos veículos de comunicação da entidade, como sites, informativos, redes sociais, vídeos e de todo o material impresso e digital produzido para eventos, comitês, publicações e campanhas, além dos resultados obtidos. Rogério Oliva, diretor de Relacionamento Comercial da ABAD, destacou a atuação da Central de Negócios, mostrando estratégias e parcerias ao longo dos últimos anos. “O bom entendimento sobre o funcionamento da CNA é fundamental para as filiadas”, afirma Oliva. Complementando a programação, foram realizadas uma reunião de alinhamento e uma roda de diálogo, uma no início e outra no fim do encontro, para que cada presidente e executivo pudessem fazer suas considerações, obter esclarecimentos, oferecer sugestões e compartilhar ideias, tornando o encontro ainda mais proveitoso.

Alessandro Dessimoni faz a abertura do segundo dia

PLEITOS PRIORITÁRIOS

No dia seguinte, 25 de agosto, os presidentes e executivos de filiadas, líderes regionais e coordenadores, bem como a diretoria da ABAD, discutiram no painel Agenda Política os pleitos prioritários do setor. Com apoio da assessoria parlamentar Action Relações Governamentais, representada por João Henrique Hummel, e da assessoria jurídica DBA Advogados, representada por Alessandro Dessimoni (coordenador do Comitê Agenda Política), Patricia Fiore, André Blanco e Alberto Dantas, foram comentados e debatidos cada um dos pleitos. 

Foram eles: 1) Regulamentação dos Contratos de Distribuição, 2) Enquadramento da Atividade de Representante Comercial, 3) Exclusão de Adicional de Periculosidade para Motociclistas que usam a moto como meio de transporte, 4) Comercialização de Medicamentos Isentos de Prescrição (MIP), 5) Marco Regulatório de Transporte de Cargas Perigosas, e 6) Reforma Tributária.

Em sua análise sobre o atual momento político e as oportunidades de sucesso dos pleitos do setor, João Henrique afirmou que o governo tem usado a comunicação de maneira inteligente, inaugurando uma nova forma de fazer política. “O governo está colocando novos papéis para a sociedade, como os de se organizar e de identificar os seus problemas. 

O setor produtivo tem de aproveitar essa oportunidade e buscar soluções melhores. Portanto, é fundamental aprender a levar as reinvindicações aos parlamentares e a propor mudanças nos marcos regulatórios. Só assim reduziremos a burocracia e iremos melhorar o ambiente de negócios”, concluiu. 

Os pleitos da ABAD são acompanhados por seus vice-presidentes: Juliano Faria Souto, Hellton Veríssimo Marinho Diniz, José Luís Turmina e Leonardo Miguel Severini.

O evento anual contou com o patrocínio e a parceria das empresas Serasa Experian, GS1 Brasil, MaximaTech, RGIS, Volkswagen Caminhões e Ônibus e Body Nutry, que aproveitaram os dois dias para apresentar seus produtos e serviços aos participantes.

 

 

João Henrique Hummel, da Action Relações Governamentais
Oscar Attisano, Antonio Camarosano e Rogério Oliva
Participantes do evento anual realizado em São Paulo