Projeto que visa desafogar Micro Empreendedores foi sancionado

Foi aprovado pelo presidente Michel Temer o projeto que aborda as normas para o parcelamento de dívidas tributárias de empresas inscritas no Simples Nacional. Com isso, aproximadamente 600 mil empresas com um valor total em dívidas de R$ 21 bilhões poderão agora parcelar os tributos em atraso em até 120 parcelas mensais, o que lhes dá o direito de permanecerem no regime no ano de 2017.

Durante a cerimônia, Rodrigo Maia, presidente da Câmara, garantiu um aumento da arrecadação sem que haja a necessidade da criação de novos impostos. Além disso, o texto sancionado aumenta também o teto de faturamento para que pequenas e microempresas tenham a oportunidade de aderirem ao programa. O valor que anteriormente era de R$ 60 mil passa agora para R$ 81 mil anuais, resultando em média mensal de R$ 6,75 mil, que passará a vigorar em 2018.

Dentro ainda do enquadramento, é garantido a possibilidade de qualquer segmento da economia poder aderir a esse regime de tributação, desde que sigam as exigências aprovadas, além de abordar também o contrato de parceria entre os profissionais que exercem as atividades de cabeleireiro e o salão para o qual trabalham (PL 5230/13).

Outros benefícios, como a figura do investidor-anjo, também fazem parte da nova regulamentação, e com isso, a partir de 2017 as micro e pequenas empresas, além de startups, poderão receber aporte de capital sem que o investidor em questão tenha qualquer tipo de envolvimento societário, estes apenas terão a participação nos lucros, o que diminui os receios por parte desses investidores em relação aos riscos financeiros.

Para Francisco Arrighi, diretor da Fradema Consultores Tributários, a sanção do projeto representa uma grande vitória dos contribuintes optantes pelo Simples Nacional, pois o Governo sempre foi contrário à esta possibilidade por entender que as empresas optantes pelo programa já possuem um benefício diferenciado das demais, como por exemplo, o recolhendo de forma mais benéfica. Entretanto, com a queda da arrecadação e a exclusão de milhares de empresas do regime, o Governo se viu pressionado a tal aprovação.

“Observamos nos atendimentos diários aos contribuintes o desespero por uma possível exclusão do programa, que na grande maioria dos casos inviabilizaria os negócios destas Empresas. Com a sanção da norma os contribuintes agora conseguirão de imediato parcelar os débitos, mesmo com todos os acréscimos, para que não tenham a exclusão concluída em função das notificações que estes vêm recebendo”, comenta Arrighi.

É valido lembrar que aqueles contribuintes que de fato tiverem a exclusão concluída após o parcelamento, ainda poderão requerer até o dia 31 de janeiro de 2017 uma nova reinclusão.

 

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email