Com queda nos preços de alimentos, inflação da baixa renda desacelera em agosto

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1) subiu 0,11% em agosto, após a alta de 0,43% registrada em julho, informou nesta quinta-feira, 5, a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O indicador é usado para mensurar o impacto da movimentação de preços entre famílias com renda mensal entre 1 e 2,5 salários mínimos. Com o resultado, o índice acumulou alta de 3,28% no ano. A taxa acumulada em 12 meses foi de 4,11%.

Em agosto, o IPC-C1 ficou abaixo da variação da inflação média apurada entre as famílias com renda mensal entre 1 e 33 salários mínimos, obtida pelo Índice de Preços ao Consumidor – Brasil (IPC-BR), que teve alta de 0,17% no mês. No acumulado em 12 meses, a taxa do IPC-BR foi inferior, aos 3,97%.

A redução nos preços dos alimentos foi a principal influência para a desaceleração do IPC-C1.No mês passado, seis das oito classes de despesa tiveram taxas de variação mais baixas: alimentação (de 0,20% em julho para -0,46% em agosto), habitação (de 1,32% para 0,95%), saúde e cuidados pessoais (de 0,28% para 0,01%), despesas diversas (de 0,40% para -0,07%), educação, leitura e recreação (de 0,16% para 0,04%) e vestuário (de -0,28% para -0,44%).

Houve influência dos itens hortaliças e legumes (de 0,86% para -9,73%), tarifa de eletricidade residencial (de 6,42% para 3,10%), artigos de higiene e cuidado pessoal (de 0,31% para -0,29%), alimentos para animais domésticos (de 1,98% para -0,43%), passagem aérea (de -2,20% para -5,36%) e calçados (de -0,12% para -0,43%).

Na direção oposta, avançaram as taxas dos grupos Transportes (de -0,24% para 0,05%) e Comunicação (de 0,04% para 0,68%), sob impacto dos itens gasolina (de -1,86% para -0,22%) e tarifa de telefone residencial (de 0,04% para 1,54%).

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.