Mercado de condomínios e galpões logísticos segue estável, apesar da pandemia

O mercado imobiliário brasileiro de condomínios logísticos, centros de distribuição e galpões segue aquecido apesar da pandemia da Covid-19. Um dos principais motivos foi a expansão do comércio eletrônico, impulsionado pelo distanciamento social e a manutenção dos hábitos de consumo das pessoas, que acelerou a busca por imóveis do segmento logístico.

Uma pesquisa do Compre&Confie mostrou que o comércio eletrônico cresceu 71%, faturando R$ 27,3 bilhões, na comparação do período de 24 de fevereiro a 24 de maio deste ano com o mesmo intervalo em 2019.

O tema foi alvo de discussão no Papo em Movimento – iniciativa da Intermodal South America que vem trazendo uma série de entrevistas, lives e webinars com o objetivo de mostrar um panorama do mercado logístico e de transporte de cargas no Brasil e colaborar para o desenvolvimento do setor – desta quinta-feira (09), que reuniu o presidente da GLP, Mauro Dias; o presidente da Colliers, Ricardo Betancourt; o diretor executivo de logística do Magazine Luiza, Decio Sonohara; e o vice-presidente de operações da DHL Supply Chain, Plinio Battesini Pereira. A moderação do webinar foi do presidente da ABRALOG, Pedro Moreira.

Dias, da GLP, diz que a empresa veio para o Brasil já prevendo a tendência de crescimento no varejo virtual e a busca por instalações logísticas mais modernas. “Hoje, 53% do total de locações da GLP são de clientes relacionados ao e-commerce. Em 2017, eram cerca de 22%”, revela.

O portfólio da GLP no Brasil é de 5 milhões de m², dos quais 3,1 milhões de metros quadrados estão construídos e 1,9 milhão de metros quadrados são terrenos em desenvolvimento.

“O mercado de imóveis logísticos é muito resiliente”, avalia Betancourt, da Colliers. Segundo ele, no último trimestre, o mercado de condomínios logísticos registrou uma absorção líquida – contratações menos devoluções – de 224 mil m², e no total do primeiro semestre do ano, de 444 mil m². “Isso mostra um crescimento, apesar das dificuldades enfrentadas. O impacto positivo também foi sentido na estabilidade da taxa de vacância”.

O Magazine Luiza é um exemplo de empresa brasileira que está investindo no nível do atendimento no comércio online e também nas lojas físicas. Neste sentido, há dois anos atrás, a empresa completou a aquisição da startup de tecnologia logística Logbee, que integrou a plataforma de entregas de encomendas leves (last mile) da varejista.

“As lojas físicas tem uma representatividade grande no negócio que ficou perceptível com o permissão de reabertura das lojas. Está no nosso DNA crescer para outras localidades, vamos abrir as primeiras lojas físicas da Magazine em Brasília (DF) e novos centros de distribuição na Paraíba e em Goiás”, destaca Sonohara, do Magazine Luiza.

Sonohara ressalta também a necessidade de investimentos em condomínios logísticos e galpões em locais pouco explorados, em especial no Norte e no Nordeste, como uma demanda atual para o mercado de real estate logístico. “A disponibilidade de galpões menores mais próximos dos grandes centros populacionais para atender o cliente mais rápido é uma carência também”.

Do ponto de vista de operadores logísticos, Pereira, da DHL Supply Chain, ressalta que há tendências em variadas demandas. O carro-chefe das operações continua sendo os grandes centros de distribuição próximos das principais regiões metropolitanas, onde o foco principal é buscar eficiência de custo: em relação a área útil de armazenagem; na localização estratégica ao estar perto de rodovias com pedágios que façam sentido para o cliente e no valor do condomínio compartilhado (segurança, alimentação e etc).

Complementar a isso, há uma demanda por capilaridade geográfica maior de centros de distribuições menores com localizações estratégicas e a possibilidade de alcançar o consumidor final em menos tempo. “O crescimento do volume do varejo e dos marketplaces está exigindo novos espaços com mais rapidez. Na DHL estamos em constante revisão do nosso footprint que sofre alterações de um semestre para o outro”, diz Pereira.

Sobre as demandas de espaços menores em outras regiões, o presidente da GLP acredita que o caminho é a construção ‘built to suit’ (construção sob encomenda). “Essas regiões não têm escala e liquidez de mercados como o de São Paulo, por exemplo. Portanto, o diálogo no setor é essencial para um planejamento de projetos que antecipem as necessidades do mercado”, afirma Dias.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email