Varejo de SP cresce 5,9% na 1ª quinzena de dezembro, diz ACSP

O movimento de vendas do varejo da capital paulista cresceu em média 5,9% na primeira quinzena de dezembro de 2019 ante o mesmo período de 2018. De acordo com o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a média resulta das altas de 2,7% do sistema a prazo e especialmente, de 9% do sistema à vista.

“São dados que surpreendem favoravelmente com destaque para o comércio de rua. Essa alta reflete o aumento nas vendas de vestuário, calçados, brinquedos, produtos de beleza e itens de uso pessoal. Os bens duráveis, provavelmente, já foram comprados na Black Friday e agora, são sustentados pela venda de smartphones”, diz Emílio Alfieri, economista da ACSP.

Entre as outras razões para o estímulo ao consumo, segundo Alfieri, estão o número de pessoas que voltou a trabalhar, ainda que informal – foram 1,6 milhão de novas vagas. Além disso, os juros menores e a liberação do saque complementar do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) com saldo de até R﹩ 998.

Embora a perspectiva para o restante do mês seja positiva, o economista acredita que a intensidade do ritmo da primeira quinzena não se sustente ao longo do mês. “Não dá para projetar esse movimento para o fim do mês”.

“Em síntese, pode-se dizer que uma parte da população que ficou quase dois anos sem renda e sem consumir, agora, consegue fazer pequenas compras para passar o fim de ano de um jeito diferente”, diz.

O Balanço de Vendas da ACSP ainda mostra que na comparação com os quinze primeiros dias de novembro de 2019, o movimento de vendas na capital cresceu em média 34,5% na primeira quinzena de dezembro.

Vendas de Natal podem crescer 4,5%, de acordo com nova projeção

As vendas de Natal do comércio paulistano podem crescer 4,5% em média ante igual mês de 2018. A nova estimativa é da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que antes havia divulgado projeção de 3%. “Reavaliamos a estimativa de vendas, pois o aumento do fluxo de pessoas nas lojas de rua, principalmente, surpreendeu de forma favorável. Esse pode ter sido resultado de quatro fatores: alta do emprego, ainda que a maioria informal; nova rodada da queda das taxas de juros; liberação da parcela extra do saque do FGTS e do otimismo do consumidor com relação ao futuro da situação financeira”, diz  Solimeo.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email