Mulheres do atacado distribuidor falam sobre suas experiências profissionais

Na foto: Maria do Carmo Aragão Lopes, diretora de Marketing da Jotujé Distribuidora, com atuação no Ceará

Uma empresa moderna precisa incluir não apenas  um organograma de gestores diversificado, mas também uma participação equilibrada dos gêneros em todas as atividades essenciais da empresa, a qual proporcione às profissionais do sexo feminino um espaço maior do que o percentual mínimo normalmente reservado à mulher  na equipe que avalia e elabora estratégias de mercado. Até mesmo porque o grande decisor de compras é a mulher. 

Geovana Donella atua em cinco conselhos de administração de empresas familiares e faz parte de um universo de apenas 3% de mulheres que ocupam esse posto. Segundo informou, uma empresa que conta com duas conselheiras pelo menos, em comparação com outra que não conta com nenhuma, consegue obter ganhos maiores, o que fica evidente nos resultados de vários cálculos: “Ela gera um retorno de 66% a mais sobre o capital investido, e sobre o patrimônio, 56% a mais. O número de vendas aumenta em 40% com relação às empresas que não as têm.” A especialista acredita que isso ocorre porque as características femininas somadas às masculinas possibilitam a formação de melhores estratégias.

Continue lendo essa matéria na versão digital da Revista Distribuição – ed. março. Clique aqui!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email