9 indústrias que estão se adaptando a um mundo sem produtos de origem animal

 

A cultura livre de produtos de origem animal ganha cada vez mais espaço no mercado. Seja em grandes redes de fast food, que incluíram no cardápio hambúrgueres feitos à base de plantas, seja em grifes trocando a matéria-prima de suas roupas, sapatos e bolsas, há uma revolução em curso.

É o que ressalta um novo estudo da consultoria CB Insights chamado “Nosso futuro sem carne: como o mercado de US$ 90 milhões passará por uma disrupção”. Segundo o relatório, abrir mão dos produtos de origem animal seria bom para o meio ambiente, diminuindo a emissão de carbono, o uso da terra e o consumo de água.

Indústrias começam a se movimentar em busca de novas alternativas. É justamente dentro desse espectro que o estudo se aprofunda. Abaixo, veja 11 respostas de indústrias para o movimento de um mundo sem carne.

Agricultura e pecuária

Do lado das grandes empresas do agronegócio, a Tyson Foods, uma das maiores empresas da indústria alimentícia, decidiu inaugurar a Tyson Ventures, um fundo de investimento de risco voltado para as inovações do setor. A empresa já investiu em companhias como a Memphis Meats e a Future Meat Technologies, com a intenção de lançar produtos à base de planta em um futuro próximo. A Unilever também corre atrás. A empresa adquiriu a The Vegetarian Butcher, companhia holandesa que produz carne à base de plantas. A Nestlé fez o mesmo, ao comprar a startup de produtos veganos Sweet Earth.

Leite e ovos

De acordo com uma pesquisa do CB Insights, o mercado de leite à base de plantas está avaliado em US$ 18 bilhões. Por enquanto, alternativas como leite de soja e de amêndoas são as principais alternativas do mercado, mas começam a surgir opções mais inovadoras. É o caso da Ripple Foods, que produz leite à base de ervilhas; e da Califia Farms, que cria leite à base de aveia.

As marcas de sorvete Ben & Jerry’s e Haagen-Dazs lançaram sorvetes veganos em 2019. Neste mercado, startups como Perfect Day e Eclipse Foods se destacam no relatório com alternativas de sorvetes feitos a partir de sequenciamento genético e fermentação de ingredientes como batata, aveia e cana-de-açúcar.

Do lado dos ovos, empresas como Clara Foods tem trabalhado para criar ovos à base de plantas. Assim como a startup chilena NotCo, que já trabalha com maionese à base de plantas, mas sem ovos.

Peixes e frutos do mar

Segundo a ONU, quase 90% do estoque marinho está esgotado, totalmente explorado ou superexplorado. Expandir este mercado significaria uma ameaça ao meio ambiente. Por conta disso, empresas olham animadas para a produção de peixes e frutos do mar à base de plantas.

A startup Good Catch, é considerada uma pioneira nesse setor. A empresa conta em seu portfólio com receitas de “atum” e “caranguejo” feitas com ingredientes livres de origem animal — como óleo de alga, grão de bico, fava, ervilhas ou soja. A Ocean Hugger Foods tem trabalhado em transformar tomates em atum e berinjelas em enguias. A New Wave Foods, também investida pela Tyson Foods, foca na substituição do camarão, a partir de algas marinhas.

Fast food

Antecipando uma possível crise, grandes empresas do setor de fast food têm buscado alternativas para substituir a carne de origem animal por similares à base de plantas. O Burger King lançou um lanche em parceria com a Impossible Foods. O McDonald’s fechou uma parceria com a Beyond Meat, realizando testes com seu hambúrguer vegano no Canadá.

A rede de frangos fritos KFC também fechou uma parceria com a Beyond Meat para criar um “frango” sem ingredientes de origem animal. Outras grandes redes que também adotaram às alternativas livres de origem animal foram Dunkin’, White Castle, Tim Hortons e Qdoba.

Hotelaria

A hotelaria tem trabalhado para atrair o público avesso à carne. Com o crescimento das alternativas, hotéis começam a oferecer em seus restaurantes menus 100% veganos e/ou vegetarianos.

O movimento vai além da comida, mostra o relatório. Um exemplo é o do Hilton London Bankside Hotel, que conta com uma “suíte vegana”, com chão de bambu, carpete orgânico de algodão e artigos veganos de higiene pessoal. No frigobar, frutas e comidinhas livres de origem animal.

Educação

Em Nova York, todas as escolas públicas terão as já tradicionais “segundas-feiras sem carne” nas refeições durante 2020. Outras escolas do país pensam em aderir ao programa.

Regulação

Nos Estados Unidos, estuda-se a criação de um certificado para empresas que produzem carne à base de plantas. A ideia dar mais informações para o consumidor. Na União Europeia, há planos de proibir empresas do setor de associar seus produtos à produtos de origem animal. Segundo o CB Insights, o pioneirismo da indústria ainda deixa em aberto o papel dos órgãos reguladores. “Como é um setor emergente, ainda é difícil saber se a regulação chega para ajudar ou atrapalhar essa nova indústria”, diz o relatório.

Moda

Em fevereiro de 2019, Los Angeles sediou a primeira Semana de Moda Vegana, mostrando produtos que não usam matéria-prima animal em sua confecção. Passaram pela passarela peças de couro feitas de folha de abacaxi, por exemplo, criadas pela startup inglesa Ananas Anam. Outro exemplo é o da MycoWorks que cria peças de couro a partir de serragem, micélio (parte de um fungo) e cascas de milho.

Beleza

O setor de beleza vegana é um dos que mais cresce. Marcas como The Body Shop e Lush Cosmetics têm ingredientes veganos na grande maioria dos seus produtos. A Unilever comprou a startup Hourglass, com a intenção de fazer o mesmo com todos os seus produtos de beleza até este ano.

Fonte Época Negócios
Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email