Atacado acumula crescimento nominal de 6,24% até novembro

De acordo com a pesquisa mensal Banco de Dados, apurada pela FIA (Fundação Instituto de Administração) para a da ABAD (Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados), o setor atacadista e distribuidor encerrou o período de janeiro a novembro de 2016 com faturamento 6,24% maior do que o mesmo período de 2015, em termos nominais. O dado de novembro foi melhor do que o dado de 2015 para o acumulado do ano, quando o crescimento registrado foi de apenas 0,06% sobre novembro de 2014.

Também em termos nominais, na comparação com novembro de 2015 o crescimento foi de 4,06%, enquanto a comparação entre novembro e outubro mostrou alta de 4,56%.

O levantamento leva em consideração o faturamento de um conjunto representativo de empresas que fornece números preliminares sobre o setor.

Em termos reais (deflacionados), o faturamento foi positivo frente a outubro (4,37%), ainda que tenha registrado queda de -2,74% em relação a novembro do ano anterior e de -2,47% entre janeiro e novembro, ante o mesmo período de 2015.

Como os preços de atacado não estão diretamente relacionados à inflação para o consumidor, a entidade ressalva que os dados deflacionados não refletem com exatidão o real desempenho do setor, embora assinalem uma tendência.

 

Sinais de recuperação

Mesmo que o faturamento esteja abaixo da inflação oficial do período, a ABAD observa que o Banco de Dados de novembro apresenta melhora progressiva no último quadrimestre do ano, nas comparações de cada mês em relação ao mês imediatamente anterior.

Apesar da base de comparação baixa, o indicador aponta uma lenta reação, mesmo que não seja possível, ainda, determinar se a tendência irá permanecer.

“O mês de novembro, como todo o ano de 2016, foi bastante atípico. Varejistas e consumidores estiveram mais retraídos e, mesmo com o resultado positivo sobre o mês de outubro, o desempenho das vendas ficou aquém do que se esperava para o mês”, diz o presidente da ABAD, Emerson Destro.

Como a maioria dos segmentos econômicos, os agentes de distribuição acreditam que o consumo deverá reagir ao longo de 2017, caso as medidas de incentivo ao aquecimento econômico comecem a surtir efeito ainda no primeiro semestre.

“Se a retomada tomar impulso apenas na segunda metade do ano, o emprego e consequentemente a renda talvez não reajam a tempo para alterar os resultados de 2017, empurrando o crescimento para 2018. Mas confiamos na efetividade das ações do governo, assim como na capacidade da iniciativa privada de encontrar soluções para movimentar os negócios e impulsionar a economia”, afirma Destro. “A ABAD e as empresas do nosso setor estão trabalhando com esse foco”, completa.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email