Seções

Nesta Edição

divisor-menu

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

Últimas Edições

Seções

Nesta Edição

Pesquisa

Momento reflete consumo

Claudio Czarnobai, diretor da Nielsen, destaca o aumento do número de canais que o consumidor visita e o fato de ele permanecer, em média, 15 segundos junto à gôndola

Por Claudia Rivoiro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Durante a programação do Encontro de Valor ABAD 2019, Claudio Czarnobai, diretor de Reinvenção de Produtos da Nielsen, apresentou dados importantes, alguns deles muito úteis aos agentes comerciais, incluindo a pesquisa Top 35 Categorias em Destaque, publicada na DISTRIBUIÇÃO.

Em sua apresentação, ele destacou que o consumidor brasileiro continua endividado e apenas 28% dos pesquisados dizem acreditar que o Brasil não está mais em recessão. Lembrou ainda que o governo liberou 30 bilhões de reais do FGTS e também lançou a “Semana do Brasil” para estimular o consumo. E, por incrível que pareça, a onda de calor contribuiu para o aumento do consumo em algumas categorias analisadas, mas em geral houve uma desaceleração da cesta Nielsen em comparação com o mesmo período de 2018”, lembrou o diretor.

Ele também destacou que o autosserviço impulsiona o crescimento e consegue obter maior repasse médio dos preços. E o canal vizinhança continua sendo o principal formato de vendas, apesar de ter dificuldade para retomar o crescimento em vendas. As categorias que se destacaram foram as cervejas e os cremes para a pele, que crescem e aproximam o consumidor do acesso ao premium.

O executivo também observou alguns pontos importantes para entender o comportamento atual do consumidor, como os fatos de o estímulo de propaganda ter aumentado cinco vezes, de ter ocorrido 30% mais lançamentos de bens de consumo de giro rápido nos últimos dois anos, de o mercado ficar mais pulverizado, de o shopper passar a visitar oito canais – antes eram três –, e de o número de pedidos no e-commerce em 2018 ter aumentado em 41%. “O consumidor busca economia visitando mais canais, permanece um tempo médio de 15 segundos na gôndola e aumenta em 200% suas pesquisas via celular”, finalizou.