Menu
divisor-menu

Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

Bebidas Alcoólicas - Cerveja

Geladas e rentáveis

Redação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

A soma das vendas de cervejas apresentou ligeira queda, de 0,2%, entre o segundo semestre de 2019 e o primeiro de 2020. Apesar da relativa estabilidade, que corresponde à média nacional, ocorreram diferentes movimentos nas regiões pesquisadas. O faturamento da categoria caiu no Nordeste, no Grande Rio e no interior de São Paulo. E subiu no grupo Minas, Espírito Santo e Interior do Rio, na Grande São Paulo, no Sul e no Centro-Oeste. 

O consultor Francisco Souza Silva explica que muitos estabelecimentos falham porque não mantêm a reposição padronizada e regular da cerveja quando ainda não há ruptura: “Em lojas em que não há um repositor fixo na seção, o abastecimento não obedece a um planograma, seja do fornecedor seja do ponto de venda. E como o abastecimento ocorre sem uma ordem, é possível ver rupturas até mesmo no freezer, e até de produtos premium e Pilsen.”

Ele também recomenda que se faça o cross merchandising, expondo a cerveja nas proximidades do açougue, das castanhas e dos amendoins, à entrada da loja e em outros pontos estratégicos: “Essa categoria deve estar em quase todos os encartes das lojas, pois é uma grande geradora de fluxo de clientes.”

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email