Ranking ABAD/Nielsen - Tendências

De olho no cliente

Novos hábitos de compra e bolso apertado exigem do consumidor um olhar atento ao mix e ao tíquete de compras

por Rúbia Evangelinellis

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Um dos maiores desafios enfrentados pelo setor em 2021 é o de entender o que se passa na cabeça do consumidor e quais são os fatores determinantes no momento de  escolher os locais e os produtos da cesta de compras. 

Com base na pesquisa realizada pela Nielsen, pode-se obter um desenho que destaca os fatores determinantes. Entre esses fatores, destaca-se a intenção de as pessoas manterem o hábito de reduzir as idas aos pontos de venda e de comprarem inclusive produtos de indulgência/premium, como café, chocolate e cerveja, em estabelecimentos classificados como superpequenos (autosserviços com até mil metros quadrados).

Outras sinalizações são as escolhas por marcas nas quais os clientes confiam, por embalagens econômicas e por promoções  que oferecem a experimentação de marcas próprias. Além disso, também sinalizam o que foi preservado, como a lista de itens adquiridos para a limpeza e de itens alimentícios, que reforçaram a lista de compras adotadas com mais vigor durante a pandemia. Também ocupa posição acentuada nessa lista a conveniência do e-commerce.

Fátima Merlin, sócia-fundadora da Connect Shopper, reforça, em particular, o fato de que o Brasil deve ser considerado como País continental, de diferenças regionais em diversos aspectos, como perfil, acessibilidade, conectividade: “Há nele cidades que ainda nem têm internet. É preciso levar em conta os contrastes e ter consciência de que não estamos na Inglaterra. Por isso, não se pode tratar as mesmas questões como verdadeiras para todas as regiões, que, por exemplo, carregam seus hábitos, crenças e valores específicos, suas diferenciadas possibilidades de vendas e seus perfis sociodemográficos e de instrução”, observa.

FÁTIMA MERLIN, sócia-fundadora da Connect Shopper

A partir dessa premissa, a especialista delineia as tendências com três grandes vertentes. A primeira destaca temas que já estavam consolidados no dia a dia e sobressaíram na pandemia, como praticidade e oferta de produtos premium, aumento do número de consumidores mais exigentes, mais seletivos e com maior receptividade e poder de retenção de informações, e mais empenhados na busca de qualidade de vida e de valores saudáveis.

A segunda tendência é a da valorização de marcas e produtos, seguindo alguns critérios. “Hoje, o consumidor deixa claro que dará preferência a produtos que contribuam para promover a coletividade, e escolherá marcas que veiculem esses produtos, e que respondam ao período da pandemia com práticas sociais e sustentáveis, entre outras atitudes.”

Já a terceira tendência destaca temas que surgiram com a pandemia, como o boom do e-commerce, a integração dos canais físico e digital, as opções de entretenimento e lazer dentro do ar. “Esse conjunto exigiu dos consumidores repensar a casa e valorizar muitas categorias de produtos de cuidados com o lar, por exemplo, a chamada gourmetização. A diferença é que, com o bolso mais apertado, o consumidor passou a buscar compras econômicas, e valorizou, por exemplo, as marcas próprias.”

 Ao avaliar o cenário para 2021, a especialista ressalta que ainda é um período de incertezas e de certa vulnerabilidade, o qual exige dos agentes econômicos que acompanhem de perto as movimentações do consumidor e tracem rapidamente estratégias que respondam rapidamente às suas necessidades.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email