Últimas Edições

Últimas Edições

  

Um mercado promissor

O Brasil é um dos países que mais consomem produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, constatação que possibilita mais ações na cadeia de distribuição

por Adriana Bruno

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Do xampu aos dermocosméticos, os produtos e categorias que movimentam o mercado HPPC (que abrange itens de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos) nunca saem da cesta de compras das brasileiras. São produtos que demandam constante reposição e que apresentam diferentes características de consumo, seja para uso pessoal, seja para uso por toda a família. O fato é que nem mesmo a crise econômica fez com que o segmento deixasse de crescer, mesmo que timidamente. De janeiro a outubro de 2019, a indústria de HPPC registrou um crescimento nominal de 5% em seu faturamento em comparação com o mesmo período de 2018.

“Em termos reais, a expansão do número de vendas foi de 0,69%”, comenta João Carlos Basílio, presidente-executivo da Abihpec – Associação Brasileira das Indústrias de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. Ele também informa que o Panorama do Setor da Abihpec, conforme dados fornecidos pela Euromonitor, destaca que o Brasil é o quarto país que mais consome produtos de HPPC no mundo, tendo movimentado cerca de 30 bilhões de dólares em 2018, atrás dos Estados Unidos, da China e do Japão. 

“As categorias que despertam mais interesse e consumo são desodorantes, perfumes, produtos masculinos, protetores solares, produtos infantis, e produtos para banho, cabelos e maquiagem”, completa.

Para 2020, Basílio acredita que o setor apresentará um crescimento na casa de 5,1%. E se há essa perspectiva de crescimento, há também boas oportunidades de negócios tanto para a indústria como para o atacado distribuidor e o varejo. O importante é unir o conhecimento de mercado e os desejos e necessidades do consumidor a uma operação que consiga levar os produtos e categorias às gôndolas do varejo. Para Leonardo Rezende, CEO da Nutriex, é preciso profissionalizar a equipe de atendimento e vendas tanto no atacado como no varejo, e também trabalhar a exposição dos produtos.

 

“Pesquisas nos informam que o brasileiro gasta mais com beleza do que com comida. Isso significa que temos muito espaço para crescer e investir, seja em produtos voltados para os cabelos, seja para a proteção solar ou o consumo infantil”, completa Rezende.

JOÃO CARLOS BASÍLIO, presidenteexecutivo da Abihpec

DA CABEÇA AOS PÉS

A categoria de cuidados com os cabelos é, sem dúvida, um dos grandes destaques do mercado HPPC. De acordo com o Euromonitor, oBrasil é o terceiro mercado de produtos para os cabelos, além de um verdadeiro polo de inovação, uma vez que o País concentra uma grande variedade de diferentes tipos de cabelos. 

“A brasileira é muito preocupada com os cabelos e chega a ter uma média de cinco produtos dentro do box. Também segundo o Euromonitor, o mercado de pós-xampus (condicionador e tratamentos) chega a ser 50% maior que o de xampus”, conta Nathália Ruiz, gerente de Produto da Phisalia. “A previsão é de crescimento de 4% ao ano nessa categoria que está em constante crescimento, tanto em números como em inovação”, diz.

Conhecer os desejos do shopper é importante para a construção do mix de marcas e produtos que atendam ao perfil de consumo do ponto de venda. De acordo com Nathália Ruiz, quando se trata de produtos para os cabelos, a brasileira busca performance e perfumação, ou seja, se ela compra um produto para brilho, ela espera que a performance seja excepcional. 

“ Ela também lembra que a empresa está lançando a linha Physalis, que tem como destaques ser vegana e não testada em animais. “Faremos isso com ações de ativação em todos os canais em que a marca irá atuar”, afirma.

Outro cuidado essencial para a brasileira está nas unhas e na maquiagem. Segundo Carolina Bertelli, diretora de Marketing da DAILUS, o shopper está em busca de novidades. “De 2018 a 2019, crescemos 7% em vendas na categoria de maquiagem enquanto que a categoria de esmaltes aumentou 21%. Em 2019, vendemos mais de 23,3 milhões de esmaltes”, conta.

Carolina também ressalta que, na temporada de verão, o consumidor brasileiro busca por cores vibrantes, sendo que as apostas são: amarelo, azul, verde, pink, roxo e laranja. Neste ano, a empresa afirma que terá uma gama extensa de lançamentos. “A DAILUS trará diversos produtos, entre os quais esmaltes em cores neon, e vibrantes, e itens de maquiagem também com cores vibrantes, entre outros.

CAROLINA BERTELLI, diretora de Marketing da DAILUS

Estamos sempre antenados com as principais tendências da moda e da beleza que melhor se alinhem ao comportamento do consumidor brasileiro”, diz.

A preocupação com a aparência se mistura aos cuidados com a saúde quando o foco está voltado para a proteção solar. Segundo o instituto de pesquisa Mintel, 33% dos brasileiros entrevistados usam protetores solares durante todo o ano, inclusive no inverno, 23% usam apenas durante o verão, 17% usam apenas em dias ensolarados, 16% não usam protetor solar, 12% o usam na maior parte das estações, mas não usam no inverno, e 7% usam proteção solar quando estão em férias. 

“Ou seja, uma parcela dos brasileiros mantém o uso do produto ao longo do ano todo. Toda essa movimentação possibilita uma vigorosa atuação da linha de protetores solares”, comenta Rezende. Ele também diz que, para trabalhar corretamente a categoria, é preciso entender que a decisão de compra, hoje em dia, é tomada com base em diversos fatores, que não eram sequer imagináveis algum tempo atrás.

“O consumidor tem muitas opções e sua escolha é feita em cima dos detalhes. Ela também é feita pela conexão com o propósito da empresa, pelo que a marca representa em nível social e responsabilidade ambiental.” Para 2020, a Phisalia promete vários lançamentos. 

“Para este ano, posso adiantar que teremos muitas novidades em novas categorias, como a de produtos para a pele, de perfumaria, nutracêuticos, um licenciamento para adultos do UFC, uma linha para gestante e outra de anti-aging para o público de 30 a 70 anos”, finaliza Rezende.

 

Brasileiros entrevistados pela Mintel responderam que:

usam s durante todo o ano

A empresa recebe o prêmio “Grandes Marcas SP”.

usam apenas em dias ensolarados

não usam protetor solar

o usam na maior parte das estações, mas não usam no inverno

usam proteção solar quando estão em férias

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email