Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

Oportunidade

Mudanças nas compras

O Natal e as festas de fim de ano serão diferentes em 2020, em parte porque o consumidor mudou e, com ele, toda a cadeia de abastecimento deverá trabalhar de maneira distinta

Adriana Bruno

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Ainda há dúvidas sobre como serão as comemorações de Natal, de Ano Novo e até mesmo das férias de verão. A pandemia de coronavírus trouxe transformações nos modos de vida e de consumo, e tanto os shoppers como o comércio estão se adaptando a elas.

O Natal é uma das principais datas para o comércio, e o início, mesmo que tímido, de uma retomada gradual da rotina das pessoas e da economia pode estimular o setor e os shoppers. Para Luiz Muniz, diretor da Telos Resultados, os sinais indicam que as comemorações serão diferentes, mas não deixarão de acontecer.

“O Natal e o Ano Novo sempre desempenharam um papel de destaque nos resultados do setor atacadista distribuidor. Essas datas exercem um importante impacto positivo no resultado do negócio, inclusive para o varejo. Além disso, a possibilidade de o setor mostrar seu trabalho para novos clientes ou de reconquistar clientes perdidos aumenta. Por isso, a necessidade de manter os níveis de serviço em patamares melhores que o da concorrência pode fazer toda a diferença”, analisa.

Luiz Muniz, diretor da Telos Resultados

Para ele, o planejamento do atacado distribuidor não deve fugir da-quilo a que as pessoas estão habituadas, e isso também inclui pontos de atenção comuns a todos os anos.

“A empresa deve ter capacidade para atender aos pedidos dos clientes. Isso requer planejamento comercial, operacional e financeiro. Vamos combinar que a ruptura, seja ela comercial ou operacional, em época de fim de ano, já é inadmissível, intolerável”, diz.

Ainda segundo ele, outros pontos importantes são: a eficiência do aspecto operacional e a manutenção do treinamento da equipe. “Deixar de fazer uma entrega ou deixar o cliente esperando na fila é, além de desagradável, sinônimo de perda de vendas”, alerta. Muniz também reforça que o consumo ocorrerá, mas de maneira um pouco diferente, mais pulverizada.

“Inclusive, arrisco-me a dizer que será maior do que imaginamos, ou até mesmo maior do que foi no ano passado (pré-pandemia), ainda mais se a recuperação da economia continuar nas taxas em que se encontram e se o turismo internacional voltar a ocorrer em 2021”, avalia.

DIFERENCIADO

Em um ano tão atípico, em que não foi possível come-morar a Páscoa nem o Dia das Mães, o Natal deverá ser diferenciado. “Acredita-se que haverá um aumento do número de ceias em todo o Brasil, uma vez que as reuniões em família e com amigos serão mais restritas e reduzidas. Em situações normais, uma ceia de até 16 pessoas costumava ter um peru representando a tradição do Natal, mas nesse novo momento provavelmente essas 16 pessoas farão duas ceias separadas, cada uma com seu símbolo de Natal, ou seja, com um peru. E como se trata do “comer junto” mais esperado do ano, as famílias que costumavam passar as festas viajando provavelmente ficarão em casa, aumentando o número de compras nos supermercados”, avalia Mariana Freitas, gerente da categoria de Comemorativos da BRF.

CATEGORIAS EM DESTAQUE

O Natal continua sendo um dos períodos sazonais mais importantes para a categoria de azeites. Para termos uma ideia, durante essa época, em 2019, o segmento apresentou um aumento de 20% no consumo e, em consequência, nas vendas, segundo a Nielsen.

“A explicação para isso está no fato de o consumidor utilizar ainda mais o azeite no preparo de pratos típicos para essas ocasiões, e assim, o segmento cresce”, comenta Rita Bassi, diretora-geral da Gallo no Brasil. Ela também destaca que as expectativas da marca são positivas, uma vez que o produto ganha destaque na mesa dos brasileiros nesse período.

“Além disso, por conta da nova rotina do brasileiro, observamos novos hábitos de consumo, como a necessidade de se cozinhar em casa e o prazer de fazê-lo, o que também impacta diretamente nas vendas e no aumento do consumo”, diz. A marca Gallo acaba de lançar um novo produto no mercado, o Azeite Gallo Extravirgem Orgânico. “Esse é o nosso lançamento do ano”, completa Rita.

RITA BASSI, diretora geral da Gallo

A Seara também está otimista com as vendas de fim de ano e, segundo José Cirilo, diretor de Marketing e Trade da empresa, fará vários lançamentos para o período.

“Além de trazermos as versões natalinas das nossas linhas regulares, também temos a opção do Kit Festa. Porém, 2020 é um ano diferente, que exige mudanças e adaptações sob diversos aspectos, inclusive do ponto de vista da economia doméstica. Por outro lado, vemos como tendência o interesse por outros produtos, como o Pernil, o Frango Defumado e o Tender, e também pela categoria dos aperitivos, como tábua de frios e embutidos”, comenta Cirilo.

Cirilo, diretor da Seara

ESPUMANTES

Uma categoria que não pode faltar na mesa no período é a de vinhos espumantes. Para a CRS Brands, eles representam um momento de crescimento sazonal de praticamente todas as categorias. “Além do pico de espumantes, também verificamos um importante aumento nas categorias de vinhos e destilados, tudo isso por conta de diversas celebrações que acabam ocorrendo com a proximidade do Natal e do Ano Novo”, afirma Edgar Galbiatti, gerente de Marketing da CRS Brands.

Galbiatti, da CRS Brand

Ele adianta que a marca de espumantes finos Georges Aubert receberá uma atenção especial e será acompanhada de uma novidade com o lançamento do Brut Tradicional. “Essa é uma categoria de alto volume, valor agregado e crescimento interessante; além disso, apresenta muitas oportunidades para o canal atacado distribuidor”, diz.

Galbiatti destaca que para as categorias de espumantes, a empresa acredita em um crescimento importante, na casa dos dois dígitos, por causa da mudança no formato das comemorações e também do aumento do consumo em casa, verificados neste ano, de diferentes categorias de bebidas.

Ele também alerta para o fato de que ainda é possível que, no fim do ano, permaneçam restrições à circulação nas lojas. Isso poderá impactar as vendas por impulso de itens de diversas categorias. “A resposta para essa situação consiste em antecipar as vendas e a execução nos pontos de venda, mesmo no pequeno varejo. Acreditamos que, mais do que nunca, a logística fará a diferença”, diz.

NOVO HÁBITO

Outra marca que prepara novidades para o período é a Sadia. “Teremos opções que atendem os consumidores que procuram produtos diferenciados, assim como os que buscam excelência na relação custo/benefício”, comenta Mariana Freitas.

Ela também destaca o fato de que o cenário de isolamento social trouxe um novo hábito para o consumidor: ele passou a comprar mais em locais mais próximos de sua casa, gerando com isso um fluxo mais intenso nos mercados locais.

“Por conta disso, há uma expectativa de aumento da importância do canal distribuidor neste Natal, inclusive para antecipar a oferta de produtos em pequenos varejos a partir de novembro.”

Além das categorias tipicamente natalinas, outras como as de pescados têm se destacado, especialmente no verão. E, por isso, merecem a atenção do setor.

Lucas Nouer, gerente de Marketing e Inovação da Gomes da Costa, destaca que ao se analisar a performance em 2019, constata-se que o melhor cenário é aquele em que o atacado distribuidor trabalha com a antecipação de demanda. Em outras palavras, o melhor período em que se pode preparar para essa época tão importante para o varejo vai do fim de setembro até o início de novembro. “

Assim, a indústria conseguirá responder adequadamente às expectativas do cliente, o qual, por sua vez, conseguirá gerir melhor o seu estoque”, orienta. Além da linha de pescados, a empresa conta com azeite e palmito em seu portfólio.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email