Frota

Ciclo de produção e inovação

Comemorando 40 anos, a VW Caminhões e Ônibus inicia um programa de investimentos até 2025. Em entrevista à DISTRIBUIÇÃO, Ricardo Alouche, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós-Vendas da montadora, adianta as novidades, entre as quais se destaca o caminhão elétrico

Por Claudia Rivoiro

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Em fevereiro de 1981, o Brasil e o mundo conheceram a até então inédita Volkswagen Caminhões. Para seguir em sua trajetória de inovações, a empresa, em seu 40o aniversário, inicia um ciclo de investimentos de 2 bilhões de reais, que se estenderá de 2021 a 2025. Em outubro do ano passado, a marca chegou ao número histórico de um milhão de veículos produzidos.

“Essa comemoração nos enche de orgulho, pois estamos vivendo uma época adversa e também ressaltamos os 40 anos da ABAD, entidade com a qual mantemos uma parceria longa e positiva”, ressaltou Alouche. Ele também lembra que o segmento já vinha de uma situação adversa desde 2015-2016. “No ano passado, quando tudo indicava que viveríamos uma época positiva, veio a pandemia e tivemos de repensar os nossos negócios, e não só no Brasil, que é um mercado muito representativo dentro do Grupo”, lembrou.

Ricardo Alouche
Ricardo Alouche, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós- Vendas: parceria com a ABAD é longa e produtiva

Se voltarmos no  tempo, na década de 80, veremos que a montadora iniciou suas atividades com apenas dois modelos de caminhões: o VW 11.130 e o VW 13.130, ambos fabricados em São Bernardo do Campo/SP. Hoje, sua linha para o transporte de cargas vai de caminhões de 3,5 t a 125 t de peso bruto total, com três famílias VW – Delivery, Constellation e Meteor – , além dos MAN TGX. A VWCO também desenvolveu uma linha completa para o transporte de passageiros, com chassis Volksbus para os mercados de ônibus rural, urbano, fretamento, rodoviário e escolar. Os produtos são montados na fábrica de Resende/RJ, e parte deles também na filial da empresa em Querétaro, no México.

Ao longo dessas quatro décadas, a VWCO produziu em larga escala veículos comerciais, como as famílias de caminhões Delivery e Constellation, com a fábrica de Resende tornando-se igualmente um polo exportador para países da América Latina, da África e do Oriente Médio, levando os produtos VWCO a cerca de 30 mercados internacionais.

Modelo de produção

Criado juntamente com a fábrica de Resende, que, em novembro, completará 25 anos de operação, o Consórcio Modular é o modelo de produção da VWCO em que a fabricante de veículos comerciais delega a responsabilidade de montagem em sua fábrica a sete fornecedores, ali chamados de parceiros. Essa inovação contribuiu para a montadora focar no desenvolvimento e no controle de qualidade dos seus produtos. Inicialmente concebida para produzir 150 veículos por dia em dois turnos, a fábrica hoje tem capacidade instalada para até 100 mil unidades por ano. Uma rede de concessionários e importadores com cerca de 350 pontos de venda espalhados por dois continentes faz a distribuição de seus produtos.

A VW Caminhões e Ônibus também deu um grande passo na viabilização da mobilidade elétrica para a produção dos primeiros caminhões elétricos brasileiros. “Vamos lançar no segundo semestre o caminhão elétrico, o Delivery Elétrico, em versão única. Depois virão outros modelos. O preço será justo para o conceito do modelo, que apresentará diferenças com relação ao veículo a diesel. A VW está investindo vigorosamente em veículos limpos, mas também oferece outras facilidades aos clientes, como consórcio, condições especiais para os associados da ABAD por meio da Central de Negócios, facilidade na troca na loja de usados e outras que serão anunciadas ao longo dos meses”, enfatizou.

Finalizando, Alouche ressaltou que a montadora está trabalhando com afinco para diminuir o atraso na entrega dos veículos novos. “Os problemas na entrega de equipamentos, pneus, componentes elétricos agravaram-se com a pandemia, mas até já reabrimos o segundo turno de trabalho para diminuir o atraso e atender os nossos clientes o mais depressa possível. Estamos atentos para reduzir esse tempo de entrega”, destacou.

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email