Menu
divisor-menu

Últimas Edições

Últimas Edições

 
 

RANKING ABAD/NIELSEN 2020 - ANÁLISE DO RANKING

Amostra de peso

Levantamento conquista maior projeção e mapeia com base nas informações fornecidas por 667 empresas

Por Rúbia Evangelinellis

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

O estudo realizado pela ABAD/ Nielsen para o Ranking 2020 mostra a ocorrência de um salto expressivo, ao longo dos anos, no aumento do número de respondentes e na força medida nos valores das variáveis asso- ciadas ao desempenho das empresas, o que contribui coletivamente para o faturamento do setor.

Com uma amostragem de 667 empresas, consegue-se obter um retrato mais fiel das operações, da gestão de negócios, do comportamento e da eficiência dos sistemas, do tamanho da frota, dos sistemas de comercialização e das políticas de investimentos, entre outros aspectos do canal indireto, responsável por 53% no mercado de consumo projetado.

Fonte: Ranking ABAD/NIELSEN 2020

Juntas, essas empresas têm faturamento de 140,848 bilhões de reais. Em 2019, a soma foi de 88 bilhões de reais. A expressiva diferença tem como justificativa o incremento do resultado das respondentes, de maneira geral, e o ingresso do grupo Atacadão, de autosserviço.

“Especialmente as empresas que faturam mais de um bilhão de reais registraram crescimento significativo. Na me dida em que o tempo passa, o Ranking ganha cada vez mais representatividade”, acrescenta Nelson Barrizzelli, coordenador de projetos da FIA – Fundação Instituto de Administração.

Fonte: Ranking ABAD/NIELSEN 2020 *sem Atacadão

Emerson Destro, presidente da ABAD, destaca que o Ranking revela a expectativa de crescimento do setor para 2020, antes do Covid-19, que mudou o panorama para o canal indireto, dinamizando a operação de abastecimento.

“As empresas que atendem o varejo alimentar, com sortimento adequado, tiveram um primeiro quadrimestre positivo, de crescimento, por conta da corrida às compras nos mercados, principalmente na segunda quinzena de março. Em abril, manteve o aquecimento, mas refletindo um nível de vendas mais normalizado”, ressalta.

Destro: acredito que o consumo será mais racional

A expectativa, porém, sinaliza um cenário recessivo de maio a agosto, em razão do aumento do nível de desemprego e, consequentemente, do poder aquisitivo. “Acredito que o consumo será mais racional, mais voltado para produtos essenciais e de primeira necessidade.

Já começamos a perceber esse movimento em abril, com uma escolha mais diversificada de marcas e itens de menor valor agregado.” Para Destro, o desafio que, daqui para frente, será imposto às empresas estará em uma adequação mais conveniente do portfólio oferecido ao varejista a fim de reduzir o impacto da crise no ambiente de negócios.

Fonte: Ranking ABAD/NIELSEN 2020

Segundo Barrizzelli, um dos resultados mais importantes do Ranking está no fato de que ele permite mapear e apontar as transformações do setor. O atacado tradicional, de maneira como ele atua nos dias de hoje, avalia Barrizzelli, não representa mais o que representava há 30 ou 40 anos, com suas operações agora concentradas nas modalidades Atacado Distribuidor, Atacado com Entrega e Atacado de Balcão.

O maior gargalo foi reconhecido no Atacado de Balcão, que sobrevive no Nordeste e em cidades do interior mais distante, explica Barrizzelli. Por sua vez, na medida em que as grandes redes foram crescendo e ocupando espaço no mercado, as indústrias focaram nas operações com os distribuidores, para atuar mais próxima do varejo (de pequeno e médio porte) e acompanhar o desempenho das mercadorias nos pontos de venda.

Fonte: Ranking ABAD/NIELSEN 2020 *Com Atacadão *Sem Atacadão

DB DigitalReceba no seu email

DB DigitalReceba no seu email